Ansiedade Social e Terapia de Grupo

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

O que é a social?

Ansiedade socialÉ uma inquietação, um nervosismo quase irracional que surge no decurso das relações interpessoais e que se prende com o medo de sermos o centro das atenções e de sermos avaliados de forma negativa. Receamos que os outros encontrem em nós alguma falha ou algum sinal de incompetência.

 

A ansiedade social faz-nos sentir diferente dos outros, mas de uma forma negativa, o que afecta a nossa auto-estima e a confiança para fazer coisas. Sentimo-nos inferiorizados e incapazes.

Com muita frequência a ansiedade social é confundida e denominada de timidez, o que contribui para que acabe por ser tantas vezes negligenciada, tanto pelas pessoas que atinge, como pelos amigos e familiares.

 

É importante desmistificar que a ansiedade social se expressa por sintomas de ansiedade acompanhados de um medo intenso e persistente que se podem intensificar e generalizar ao longo da vida e das experiências, acabando muitas vezes por comprometer o funcionamento diário da pessoa e conduzindo ao evitamento das situações sociais, ficando assim a pessoa privada de uma vida mais feliz.

 

Na perturbação de ansiedade social a pessoa sempre que antecipa ou vivencia uma situação de interacção social pode experienciar um leque de sintomas diversos, que podem ir desde o desconforto e apreensão, a palpitações, tremores, suores, mal-estar gastrointestinal, diarreia, tensão muscular, rubor e confusão mental.

 

São diversas as situações sociais nas quais se podem manifestar estes sintomas – na interação formal (ex: falar em publico, participar numa reunião); na interação informal (ex: conhecer pessoas desconhecidas, ir a uma festa, encontros amorosos); na interacção assertiva (ex: expressar desacordo a pessoas que não se conhece bem, falar com pessoas de autoridade); ou ainda em situações em que nos sentimos observados por outros (ex: a comer, a escrever, a trabalhar, a beber).

 

As situações de interacção social geram tanto mau estar e constrangimento, que normalmente a pessoa acaba por ficar refém do ciclo de ansiedade e evitamento e atolada em pensamentos como “não valho nada”, “sou insignificante”, “sou diferente”, “está toda a gente a notar que sou esquisito”, e apesar de poder reconhecer que alguns pensamentos poderão ser excessivos, quanto mais se tenta livrar deles, mais se foca neste ciclo, acabando por ficar completamente aprisionada nele.

Trazemos boas notícias cada vez mais os estudos revelam que aproximadamente 75–80% das pessoas que completam intervenções cognitivo comportamentais experienciam uma redução significativa na ansiedade social, o que lhes permite encarar as suas vidas de forma revigorada.

O trabalho em grupo é particularmente útil nesta perturbação, não só porque nos ajuda a perceber e a sentir menos sós e estranhos, como possibilita a partilha e a aprendizagem com as experiências dos outros, ao mesmo tempo que nos permite experienciar aquilo que mais tememos – a avaliação do outro – mas num ambiente seguro e apoiado por psicólogos.

No grupo teremos ainda a oportunidade de desconstruir as ideias erradas que temos acerca de nó próprios, bem como de compreendermos como o outro nos olha e o impacto que temos.

Saber mais sobre Ansiedade Fobia Social…

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

0
  Talvez também lhe interesse: