As emoções nos rapazes

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Maria João Matos

Maria João Matos

Muito se fala da adolescência,  que é por definição uma época de mudanças muito rápidas, que os filhos não conversam com os pais, que preferem estar no quarto sozinhos, ou então com o grupo de amigos… Já para não referir a recusa perante as sugestões dos pais, enfim! Um período mais complexo no que respeita ao turbilhão das emoções.

Parece-nos necessário, encontrar estratégias baseadas em modelos de parentalidade positivos para que  os pais ajudem os rapazes a desenvolver uma linguagem emocional contínua e consistente, um canal de comunicação que potencie a negociação de lutas difíceis inerentes à adolescência,  compreendendo as razões do medo da exposição e das suas vulnerabilidades, e não apenas a revolta que lhes é característica.

É certo, que alguns de vós estará a dizer, que as coisas estão a mudar, que há cada vez mais homens a assumir a vulnerabilidade, que desempenham o papel de pais atentos, que  permitem a coexistência do carinho, da expressão das emoções e da masculinidade. Sim é, verdade mas…

Mas quantos jovens nós conhecemos que se escondem atrás de comportamentos de risco? A fazerem-se de duros? A não conseguirem estabelecer relações significativas com os outros? Todos conhecemos jovens assim! De alguma maneira, foram levados a acreditar que ser forte é não expressar sentimentos porque não foram educados a pensar e a agir de outro modo.

Precisamos de mais flexibilidade nos modelos parentais. Que os rapazes possam identificar-se tanto com o pai como com a mãe, permitindo que os rapazes se movam livremente em dois mundos distintos, sem receios do que o pai pode achar por estar a ajudar a mãe a fazer uma actividade doméstica,ou a poder expressar a sua tristeza, quando alguma coisa não corre bem. Esta flexibilidade emocional, vai permitir que os rapazes lidem melhor com as suas emoções e se conheçam melhor.

A melhor forma de compreendermos os rapazes é sem dúvida pelo que eles são e não pelo que aparentam ou que gostaríamos que fossem.

Necessitam de identificar e nomear as emoções, compreender que determinadas situações dão origem a determinados estados emocionais, perceber que existe uma ligação clara entre a perda e a tristeza, a frustração e a raiva. As raparigas, são desde muito cedo encorajadas a reflectirem e a exprimirem os seus sentimentos, muitos rapazes não recebem este tipo de encorajamento mostrando uma falta de consideração pelos sentimentos dos outros, em casa e mesmo na escola. Muitas vezes, os pais e as mães falam deste alheamento e ficam chocados com a agressividade e a raiva dos filhos ainda muito pequenos, gritam, batem…

Temos ainda a ideia que os rapazes são independentes, confiantes e bem sucedidos e que raras as vezes se emocionam, ou choram. Continuamos a ver nos rapazes força onde ela não existe e continuamos muitas vezes a ignorar sinais evidentes de grande sofrimento. Na maior parte das vezes agem de forma impulsiva e são levados pelas emoções que desconhecem.

Precisamos de os ajudar a melhorar a sua capacidade de expressão, a aumentar o vocabulário emocional incentivá-los a construir relações com significado e a permitir que sejam eles próprios, sem que sejam vítimas das suas emoções turbulentas e desordenadas, precisam de um modelo masculino com uma vida emocional rica, devem aprender com o pai e e outros modelos masculinos mas também com a mãe, para que possam criar a sua identidade masculina baseada em diferentes modelos mas rica no que respeita às emoções.

Os rapazes têm de compreender e acreditar que as emoções fazem parte da vida do homem. Todos temos um papel activo em ajudar que sejam  rapazes mais felizes!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

0
  Talvez também lhe interesse: