E se eu falhar, quer dizer que sou um fracasso?

Cláudia Sintra Vieira

Cláudia Sintra Vieira

Quantas vezes dá por si a ficar com medo de que alguma coisa corra mal em diversas situações e que as pessoas fiquem com uma imagem negativa de si?

Quantas vezes sente que errou e se culpabiliza por isso? E pensa: “Sou um inútil” “Não faço nada bem” “Sou uma fraude”.

 

Estes são alguns dos pensamentos que muitas vezes surgem ao longo do dia quer em contexto laboral, quer noutras situações em que o desempenho ou o resultado das nossas ações têm um impacto negativo em nós ou nos outros (e.g. família, amigos).

Sempre que sentimos que não estamos à altura ou que fracassamos em alguma situação importante, a nossa cabeça associa o nosso desempenho àquilo que somos enquanto pessoas, o que não corresponde há realidade das coisas.

Aquilo que é enquanto pessoa é diferente do seu desempenho, pois este é apenas a expressão do seu comportamento. E nós não somos apenas o nosso comportamento! Somos mais … muito mais do que isso!

Quando dependemos exclusivamente do nosso desempenho, sucesso ou fracasso, faz com que a ideia que temos de nós se altere constantemente de acordo com as mudanças que vão ocorrendo, alimentando assim a autocritica e a ruminação ansiosa. O importante é que independentemente de tudo o que aconteça eu continue estável, convicto do que sou e do que quero.

É quase como se imaginar como uma montanha. Apesar de todas as mudanças, das estações do ano, do frio, do calor … ela continua ali… Estável, inabalável, firme na sua postura de ser o que é.

 

Contudo e apesar de racionalmente compreendermos isto, o medo de fracassar continua a surgir e muitas vezes bloqueia-nos em determinadas situações

 

[h2]Mas afinal o que é que alimenta o medo do fracasso?[/h2]
Expetativas irrealistas: muitas vezes esperamos ter sucesso em determinadas situações, e quando isso não acontece, pensamos automaticamente que fracassámos. Mas só porque não conseguimos fazer um teste, ser promovido, não quer dizer que temos menos capacidades! O fracasso é parte do processo de aprender a triunfar.

 

Perfeccionismo: o medo do fracasso e de sermos rejeitamos faz com que utilizemos certas estratégias, que por vezes, não são muito positivas. Tentar fazer tudo bem, sem margem para erros, é uma delas, pois está associada a níveis elevados de ansiedade e afeto negativo.

 

Baixa autoestima: lembre-se que cada um de nós é único, especial, talentoso, e como tal somos capazes de construir e desenvolver a nossa própria noção de sucesso! O que para uns é um fracasso para si pode ser um sucesso.

Baixa autoconfiança: quando não acreditamos em nós é mais difícil alcançarmos o que ambicionamos, por isso a autoconfiança é fundamental para sermos bem-sucedidos!

 

Não saber lidar com a ansiedade: para a maior parte de nós, o medo é uma emoção incapacitante, devido ao facto de andar de mãos dadas com a ansiedade e de acharmos que é muito difícil lidar com esta. É importante aceitar que ela faz parte desta experiência, tal como em todas outras e não dura para sempre!

 

Padrão de Pensamentos Negativos: por vezes os pensamentos ofuscam ou tornam a realidade mais turva! Trabalhe no sentido oposto e torne as coisas mais claras para si! Às vezes pode-se sentir uma formiga pequenina, sem força… mas Acredite em si e nas suas capacidades! Os pensamentos nem sempre traduzem a realidade das coisas!

 

 

[h2]Como ultrapassar este medo e desvincular-se de que ele traduz aquilo que é enquanto pessoa?[/h2]

 

  • Perceba que errar é humano. É importante que compreenda que em certas alturas da sua vida é possível que cometa falhas ou erros, pois faz parte da condição humana;
  • Não personalize! Provavelmente já se deparou com situações em que o facto de ter errado, podem não ter dependido de si. Relembre-se que ninguém consegue ser sempre bem-sucedido.
  • Evite a autocritica destrutiva, pois esta não o ajuda a melhorar! Aliás deixa-o mais ansioso em situações futuras em que o seu desempenho seja avaliado.
  • Lembre-se que o “fracasso” já originou muitos sucessos, por exemplo, Albert Einstein, que fora muitas vezes criticado pelo seu professor, sugerindo que este abandonasse o ensino;
  • Veja o erro, a falha como parte da experiência. Quanto mais tentar, experimentar melhor preparado estará para alcançar o que valoriza.
  • Acredite em si! Não desista dos seus objetivos se a decisão se basear no medo em errar e fracassar. Acredite que tem o que é necessário para enfrentar e desafiar os obstáculos.

 

E um dos lados da moeda diz-nos: Se eu errar isso não quer dizer que sou um fracasso, porque eu não dependo do meu desempenho/resultado para ser alguém!

Por vezes somos nós mesmos que criamos obstáculos aos nossos objetivos e valores de vida. Não queira acreditar nas histórias que a sua cabeça lhe conta. Nós somos bem mais do que isso!

2015-11-22T11:46:13+00:00 Novembro 22nd, 2015|Cláudia Sintra Vieira, Desenvolvimento Pessoal|
Translate »