EMDR: depressa e bem!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

EMDRQuantas e quantas vezes um processo psicoterapêutico leva demasiado tempo. Por restrições temporais, financeiras ou simplesmente devido a expectativas em relação à terapia, há clientes que têm como prioridade a obtenção de resultados rápidos. E se o leitor é um deles, eu digo-lhe que tem todo o direito a isso!

Ao acompanhar o início e desenvolvimento da psicoterapia, tenho visto que esta tema tem sido, claramente, o seu ponto mais fraco. Mesmo havendo abordagens psicoterapêuticas mais focadas no “resultado” e outras mais no “processo”, não podemos negar que fazer psicoterapia é um grande investimento pessoal e financeiro. E por se preocupar tanto consigo, a Oficina de Psicologia faz do EMDR uma das suas ferramentas de eleição!

Tanto no trabalho com adultos como com crianças, o Eye Movement Desensitization and Reprocessing marca cada vez mais a diferença, resolvendo problemas de anos em poucas sessões (muitas vezes, até numa!) e com resultados concretos e duradouros, sem efeitos secundários. E um dos aspetos que mais me tem fascinado nesta poderosa técnica, é que ao trabalharmos sobre um problema específico, podemos também estar a trabalhar sobre outra dificuldade do cliente de forma simultânea. Consigo não sei mas comigo uma coisa é certa: quando vou resolver uma questão a um local e saio de lá com várias arrumadas, sou o homem mais satisfeito do mundo!

Partilharei agora consigo alguns casos com quem usei o EMDR e que me motivam, cada vez mais, a usá-lo na minha prática clínica:

Um cliente que veio ter comigo para controlar a sua grande agressividade para com pessoas próximas e terminou o processo com essa questão resolvida e também com um problema de excesso de peso eliminado, aparentemente sem relação com a sua queixa inicial, mas que o EMDR acabou por trazer à superfície e ajudar a resolver.

Um outro exemplo que me fascinou foi uma cliente com esclerose múltipla que veio trabalhar sintomas depressivos e reorganização da sua vida pessoal e acabou por ir sentindo ao longo das sessões de EMDR que a sua vitalidade física estava a aumentar, o cansaço a diminuir e até o andar a melhorar. Confesso que foi das experiências mais intensas que tive enquanto psicoterapeuta, uau!

Por último, uma cliente com quem usei EMDR para resolvermos um trauma resultante de um brutal acidente de viação. Pensando já eu que esta técnica é rápida, acabei por ser totalmente surpreendido! É que nunca pensei que um acontecimento tão violento chegasse ao fim de uma sessão com um impacto radicalmente diferente nas emoções da cliente.  Ao ponto da cliente olhar para ele como mais um episódio da sua vida, sem interesse por aí além. Foi uma bela surpresa que foi solidificada ao longo de mais algumas sessões e que levou a que esta mulher melhorasse totalmente a sua vida.

Estes três exemplos são apenas uma pequeníssima porção do que o EMDR pode fazer por si. Experimente e verá o porquê desta abordagem estar a revolucionar tanto a saúde mental como física a nível mundial!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

2
  Talvez também lhe interesse:

Comments

  1. Gabriela  November 10, 2014

    Bom dia, gostaria de me consultar com esse método. Como proceder ?

    reply

Add a Comment