(Homo) sexualidade, tecido social e sofrimento psicológico

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

André Viegas

André Viegas

Os conflitos originados pela diferença têm merecido um olhar atento dos cientistas sociais e comportamentais que, acerrimamente, têm constituído um papel inegável na reconsideração dos desvios à norma social e no desrigidificar cognitivo do tecido social.

Vivemos de facto inseridos numa diversidade de padrões biológicos, psicológicos e sociais e é notável o papel que a cultura exerce sobre o estilo de vida de uma pessoa. É notável também, a severidade com que muitas culturas tratam as minorias que não seguem os seus preceitos. Isto acontece com as pessoas homossexuais, que não correspondem aos padrões pré-estabelecidos de uma sociedade composta por uma maioria predominantemente heterossexual, que encara a homossexualidade como uma categoria social desviante. Neste sentido, é sabido que estas pessoas apresentam uma significativa tendência para o desenvolvimento de problemas do foro psiquiátrico, geradoras de sofrimento psicológico.

Uma visão humana e científica da homossexualidade é pois fundamental para possibilitar a cada pessoa, encontrar em si mesma o reconhecimento das suas próprias necessidades e, por conseguinte, a aceitação e o respeito pela diferença do outro. Faz-se assim necessário, na atualidade, repensar-se sobres os valores éticos e procurar-se a consciencialização e a ampliação da discussão voltada para o esclarecimento de dúvidas, mitos e dissolução de preconceitos em relação às minorias sociais e o reconhecimento das diferenças e variações do ser humano; repensar a vinculação ideológica e dissociar a homossexualidade de uma visão patológica, não perdendo de vista a proposta do trabalho psicoterapêutico de melhoria da qualidade de vida do ser humano (Rodrigues & Toniette, 2006).

Integrados numa comunidade, pertencendo a vários grupos sociais, encaramos acontecimentos, pessoas e grupos segundo determinadas interpretações que refletem esquemas mentais, representações, categorias. Os estereótipos e os preconceitos são pois dois componentes de um processo que se designa por categorização e que consiste em esquematizar a realidade social, em organizar em categorias estabelecendo-se assim uma diferenciação social. Estes processos cognitivos formam-se no processo de socialização através dos seus diferentes agentes: a família, a escola, os grupos de pares, os meios de comunicação social, estando presentes em todas as culturas, em todas as sociedades e manifestam-se na forma de pensar e de agir.

A categoria de preconceito associada à orientação sexual chama-se de heterossexismo, que é um conjunto de crenças culturais, muito difundidas, e de valores, que define a heterossexualidade como a única forma válida de expressão sexual e estigmatiza e critica todas as formas não heterossexuais de comportamento.

Em continuação, a homofobia, será portanto a exteriorização mais ativa e severa do preconceito. Encontrará definição no medo ou desprezo pelos homossexuais e uma repulsa face às relações afetivas entre pessoas do mesmo sexo e/ou ódio generalizado aos homossexuais. (Magalhães, 2006). Mas a discriminação e o experienciar o trato negativo da sociedade relaciona-se fortemente com um maior número de sofrimento psicológico, amplificando sentimentos de exclusão, isolamento e solidão que frequentemente conduzem à e . Neste contexto cultural, será mais difícil desenvolver um autoconceito positivo e é frequente a vivência de um conflito entre a pressão social para a heterossexualidade e a motivação homossexual. Provavelmente, a consequência mais negativa do preconceito social será a Homofobia Internalizada, que é a internalização, pela própria pessoa homossexual, das suas atitudes negativas da sociedade e a incorporação de sentimentos negativos na sua auto-imagem, no que resultará uma hostilidade face à sua orientação sexual (Herek, 1996 cit. por Magalhães, 2006). Ao falarmos em identidade sexual, estamos assim indubitavelmente a remetermo-nos para questões ligadas à saúde mental.

A sexualidade humana e, particularmente, o conceito de identidade sexual são constructos que continuarão a sofrer mudanças, tais são os condicionalismos de ordem cultural que determinam interações diferentes e, logo, influenciarão o modo como as pessoas constroem a sua identidade. O papel da psicologia deverá ser o de compreender e aceitar as pessoas que se identificam como não-heterossexuais e trabalhar para uma sociedade que lhes possibilite uma expressão identitária em liberdade (Leal & Pereira, 2005).

Conte connosco!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

0
  Talvez também lhe interesse: