Medos e mitos na terapia de casal

Medos e mitos na terapia de casal
Muitas vezes experimentamos crises passageiras nos nossos relacionamentos, o que é inerente ao convívio e pode, inclusive, ser importante para nos ajudar a crescer enquanto pessoas e na relação.
No entanto, algumas dessas crises custam a passar ou vão degradando a relação a ponto de colocá-la em causa. Esse é um momento de muito sofrimento que pode abranger toda a família e tornar a vida bastante disfuncional.

Já se vê mais e mais casais a procurar ajuda profissional quando percebem que a conjugalidade se encontra ameaçada, mesmo assim, a maioria das pessoas ainda tenta resolver esses problemas sem auxílio terapêutico.

Em sociedades onde se tem uma visão mais preventiva sobre questões de saúde, existe menos resistência e menos tabus na procura por terapias de casal, entretanto, não é raro encontrar quem desconheça essa forma de atuação do psicoterapeuta ou simplesmente rejeite por um conjunto de crenças que não correspondem à real prática do trabalho em consultório.

É comum ouvir pessoas dizerem que a terapia de casal faz com que o casal se separe ou que um casal deve resolver seus problemas sozinho, sem ter que se expor, ou ainda, a clássica “entre marido e mulher ninguém mete a colher”. Também acontece o receio de que o terapeuta forme uma aliança com um dos cônjuges em detrimento do outro, que ficaria em desvantagem no processo.
Para explorar esses aspectos e demais questões que possam surgir, vale fazer algumas considerações sobre em que consiste o trabalho de psicoterapia com casais.

1) O terapeuta está ciente de que o cliente não é o marido ou a esposa ou quem contactou primeiro ou o que parece mais motivado com o tratamento. O cliente, nesse caso, é a relação. É aí que o profissional estará focado. Com uma escuta diferenciada e sem estabelecer juízos de valor e, evidentemente, com a garantia de sigilo, o terapeuta funciona como um analista dos comportamentos que estão a prejudicar o relacionamento, um mediador preparado para facilitar a comunicação e um “arquiteto” para propor uma “reforma” na união, visando a satisfação e o bem-estar dos parceiros no caminho que se descortinar em seguida.
Sempre que possível é construída uma nova dinâmica conjugal que assegura a continuidade do casamento.

2) Outras vezes, o casal descobre que sua melhor forma de correspondência não é no matrimônio e, nesses casos, o terapeuta tem o papel de conduzir o processo orientado para encontrar, juntamente com os envolvidos, as escolhas mais benéficas para todos em uma reorganização do agregado familiar.
A evolução da psicoterapia decorrerá do tipo de ocorrências que levaram o casal a buscar ajuda, do histórico da relação, da estrutura emocional e condições de vida em que se encontram, do empenho no trabalho com o terapeuta e, principalmente, do momento em que essa procura acontece.


Se quer conhecer aprofundadamente mais estratégias e respostas para melhorar a sua relação, saiba mais sobre o nosso programa bem-humorado, para casais Still in Love


Nota-se em muitos casos que devido a esses medos e mitos construídos em torno da terapia de casal, os companheiros só pedem ajuda quando a relação já está gravemente desgastada e resta pouca esperança e escassos recursos para restaurá-la.

Sendo assim, vale ressaltar o quanto é importante o pedido de uma ajuda especializada logo que se perceba que há um prolongado período de tempo os parceiros estão em desarmonia, sem conseguir entrar em acordos pacificadores e promissores para manterem um saudável e compensador convívio diário, assim como planos para o futuro.

Alguns indicadores que podem sinalizar quando é hora de cuidar da união são:

  • estado depressivo ou melancólico duradouro de algum dos dois ou de ambos
  • frequentes brigas que vão se acalorando e abrindo espaço para ofensas, manifestações de
  • descontentamento e desajuste dos filhos (se houver)
  • isolamento
  • falta de comunicação ou um diálogo constantemente não resoluto
  • quebra da intimidade
  • comprometimento da vida sexual e afastamento afetivo
  • baixa tolerância e irritabilidade
  • pouca motivação para regressar à casa depois de atividades fora
  • não conseguir fazer planos para o futuro e uma fantasia persistente de que a felicidade talvez seria com outra pessoa

Para facilitar a compreensão de que todos estamos sujeitos a desafios que podem parecer (ou até mesmo ser) insuperáveis num relacionamento afetivo, lembremos que quando apostamos estamos a acreditar, o que é nosso direito, mas algumas circunstâncias podem provocar abalos ou dúvidas no decorrer da trajetória. Isso não deve gerar culpas, vergonha ou sensação de fracasso, mas a consciência de que devemos “tomar conta”. Uma morte na família, um acidente, uma doença, a perda do emprego, uma variação brusca de status sócio-econômico, uma mudança de país ou o nascimento de um filho são exemplos de eventos que podem desencadear alguma crise conjugal e alertar para a necessidade de apoio.

[Saiba as perguntas habituais dos casais aqui]

Portanto, recorrer ao acompanhamento de um profissional a fim de encontrar um caminho mais claro e favorável para as relações não é sinal de incompetência ou fraqueza, mas de vontade. Vontade de estarmos acompanhados por quem amamos, mas acima de tudo de estarmos acompanhados pela coragem de sermos felizes.

Marque comigo uma sessão para aprender mais sobre como desenvolver a sua relação ou inscreva-se no programa Still in Love:

[contact-form-7 404 "Not Found"]
Cristiane Castelo Branco
Cristiane Castelo BrancoPsicóloga Clínica
Mostrar mais Artigos
2017-03-28T14:06:38+00:00 Janeiro 31st, 2017|Autor(a), Cristiane Castelo Branco, Serviços, Terapia conjugal|