Natal, tempo de emoções

Ricardo Valadas FernandesE chegou mais um Natal, época festiva e de comemoração dos afectos para uns, mas de isolamento e maior solidão para outros. Mais ou menos festivos, os dias de Natal são quase sempre dias repletos de emoções mais intensas. Mesmo para as pessoas que expressam o seu desinteresse por esta época, é difícil ignorarem estes dias.

 

O Natal é um tempo de Emoções. E todos nós, enquanto pessoas, temos essa capacidade maravilhosa de poder sentir uma quantidade imensa de emoções, sejam elas mais inatas e primárias ou mais elaboradas e socialmente determinadas. Do medo à surpresa, da tristeza à alegria, da raiva à compaixão, do desprezo à generosidade, podemos experienciar e sentir de formas que nenhum outro ser vivo do nosso planeta consegue.

 

Dependendo das circunstâncias, podemos experienciar muitas emoções diferentes num período muito curto de tempo. Elas fluem rapidamente num movimento quase infinito de formas mais ou menos manifestas ou subtis. E assim, experimentamos o mundo não só pelo que pensamos, mas especialmente através do que sentimos.

 

A emoção é um fenómeno cerebral muito diferente do pensamento, com processos neuroquímicos e fisiológicos próprios, originados no Sistema Límbico. É esta a parte do cérebro responsável pelas respostas emocionais de base e que, simultaneamente, dirige muitos dos processos fisiológicos do corpo, assim se justificando a influência que a vivência emocional tem na saúde física, no sistema imunitário e na maior parte dos órgãos do corpo.

De facto, o poder das emoções é incrível!

 

Tanto catalisam níveis de energia que precisamos para a nossa qualidade de vida, como podem criar deficits de energia que nos roubam muita da nossa vitalidade. As emoções podem enriquecer as nossas vidas bem para além do mensurável, mas podem também, quando temos mais dificuldades em lidar com elas, destruir-nos facilmente.

 

Assim sendo, aproveitemos esta época de Festas para usufruir do poder construtivo das nossas emoções, procurando dar-lhes uma atenção nova e diferente e, nesse movimento, imaginar outras vivências que possam melhorar a qualidade das nossas experiências, da nossa saúde e, em última instância, a possibilidade de construir soluções para os nossos problemas pessoais e sociais.

 

Desejo-lhe uns Dias Felizes cheios de Emoções renovadas!

 

Ricardo Valadas Fernandes

Psicólogo Clínico

Oficina de Psicologia

2015-12-24T19:24:19+00:00 Dezembro 24th, 2015|Emoções|