Perturbação Obsessiva-Compulsiva

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Cláudia Pereira

Cláudia Pereira

“A incerteza dos acontecimentos é sempre mais difícil de suportar que o próprio acontecimento.”
Jean Massillon

“Saio de casa, entro no elevador…será que fechei bem a porta de casa? Não, hoje não vou verificar, deve ter ficado bem fechada. Chego ao carro, vou para o trabalho. Mas, e se a porta não ficou bem fechada? Podem-me assaltar a casa. Devia voltar para ver se está bem fechada. Mas já estou quase a chegar ao trabalho e se voltar para trás chego atrasado. Mas, e se a porta ficou aberta? Podem assaltar-me a casa, ou podem lá entrar estranhos, ou… depois a minha mulher culpa-me por não a ter fechado. Dou meia volta e volto para casa, mesmo sabendo que já vou chegar atrasado. Chego a casa, estava fechada, mas para ter a certeza que ficou bem vou confirmar 5 vezes. Que estupidez. Agora sim, vou descansado para o trabalho. 9h20, já devia ter chegado há 20 minutos atrás, entro no elevador. Será que fechei o carro?”

A perturbação Obsessiva-Compulsiva é uma das perturbações de que provoca mais desgaste físico, emocional e intelectual. É actualmente reconhecida como a quarta perturbação psicológica mais expressiva na sua prevalência, ao contrário do que acontecia nos anos 60 onde se acreditava que esta perturbação era rara.

Mas afinal o que é a perturbação obsessiva-compulsiva? Vamos por partes!

As obsessões são pensamentos, impulsos ou imagens mentais persistentes e desagradáveis, que aparecem de forma intrusiva e que resistem a desaparecer apesar dos esforços da pessoa, causando desta forma elevada ansiedade e sofrimento. As obsessões mais comuns são dúvidas repetidas (por exemplo, se a porta ficou mal fechada), pensamentos de contaminação (por exemplo, ter ficado contaminado com apertos de mãos), pensamentos e imagens intrusivas e desagradáveis de natureza sexual, necessidade de contar, perguntar, confessar, necessidade de organizar os objectos numa determinada ordem.

Quando as obsessões existem a pessoa tenta ignorar esses pensamentos ou neutralizá-los com uma compulsão. Por exemplo, se uma pessoa está com uma obsessão de não saber se deixou ou não a porta de casa fechada, procura neutralizar essa dúvida verificando repetidamente que a porta está fechada.

Portanto, as compulsões são comportamentos repetitivos (como por exemplo, lavagens, verificações, bater, tocar, esfregar -determinados objectos, partes do corpo, entre outros) ou actos mentais (orar, contar, repetir palavras em silêncio) que têm como objectivo reduzir a ansiedade ou o sofrimento.

As pessoas com esta perturbação têm consciência de que as suas obsessões e compulsões são irracionais, excessivas ou mesmo absurdas, mas não conseguem ter controlo sobre elas, sentindo-se bastante angustiantes, fracas e/ou até”malucas”.

Hoje em dia existem tratamentos eficazes para esta perturbação, nomeadamente a farmacologia e a intervenção psicoterapêutica de abordagem cogntivo-comportamental!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

5
  Talvez também lhe interesse:
  • No related posts found.

Comments

  1. Lion  March 21, 2014

    Seus artigos são ótimos para estudo e análise. Obrigado pelo maravilhoso conteúdo!

    reply
    • admin  November 16, 2014

      Obrigado!
      Abraço,
      Oficina de Psicologia

      reply
  2. Ana Dias Ferreira  March 23, 2014

    Este esclarecimento, pode vir a mudar muito na minha vida.
    Sei que tenho temporariamente comportamentos destes, mas, segundo a minha psicóloga, estavam tratados.
    No entanto, por desconhecimento, não lhe falei de outros que foram agora mencionados no texto.
    Muito obrigada.
    Ana Dias Ferreira.

    reply
  3. Manuel Ferreira  October 6, 2014

    Olá boa tarde teve recentemente uns problemas e recorri a um Psiquiatra no qual me receitou uns medicamentos ou seja calmantes, após 15 dias de tratamento teve que os largar devido a efeitos contrários causando-me ataques de pânico etc,após deixar esse tratamento fiquei com sensações esquisitas tal e qual como descreve a Jean Massillon,ao ler isto tranquilizei muito devido encontrar algo que coincida com aquilo que sinto,alguém me pode dar mais umas dicas para que eu possa viver tranquilo obrigado.

    reply
    • admin  October 6, 2014

      Caro Manuel,
      Fazemos votos de que continue a cuidar carinhosamente de si!
      Fique bem.
      Abraço

      reply

Add a Comment