Triângulos familiares

Ana Oliveira

Ana Oliveira

«Tire um minuto para pensar sobre o relacionamento mais perturbador da sua vida. Esse relacionamento quase de certeza envolve, uma ou mais, terceiras pessoas.» Nichols M. , Schwartz R.

Praticamente todos os relacionamentos são influenciados por terceiros elementos, sejam eles familiares, amigos ou mesmo o passado.

Vejam o exemplo, uma esposa chateada com a falta de proximidade do marido pode aumentar o envolvimento com os filhos. Esta dispersão do foco do conflito pode ajudar na resolução do conflito, na medida em que o marido pode passar a sentir-se menos pressionado e passar a realizar determinadas atividades que não fazia por se sentir obrigado. Claro está que esta iniciativa ao retirar a tensão do relacionamento do casal, pode gerar nos filhos um desejo de independência e não mostra ao casal formas de desenvolver interesses comuns.

Este terceiro elemento pode ser uma pessoa ou mesmo uma atividade, a profissão, um hobbie, entre outros.

Nunca lhe aconteceu sentir-se ameaçado(a) com o tempo que o(a) seu parceiro(a) gasta com alguma tarefa em detrimento do tempo que tem para si?

Os triângulos emocionais não são mais do que uma configuração emocional que envolve três elementos.

Um sistema de duas pessoas pode ser estável numa situação calma, mas se existir algum elemento stressor há a tendência para o envolvimento de um terceiro elemento, na medida em que quando o conflito e a ansiedade aumentam existe a propensão para a aproximação emocional a alguém como forma de resolução.

Quando os problemas de casal surgem e a sua resolução não é evidente, a comunicação não flui, podendo um ou ambos recorrer a alguém que ouça, compreenda ou que tente resolver a situação.

O envolvimento de um terceiro elemento diminui os níveis de ansiedade ao doseá-lo por três relacionamentos.

A triangulação dá um alerta de que algo não está a resultar e existe insatisfação de um ou dos dois elementos. Não existe mal algum em pedir apoio a um amigo ou familiar, mas se este se torna permanente e habitual pode minar o relacionamento original e não cumprir a intenção inicial de resolução.

2015-01-25T19:15:49+00:00 Janeiro 25th, 2015|Ana Oliveira, Família|