Há um mundo subtil nos relacionamentos

Alguma vez já se questionou porque é que os seus relacionamentos não são exatamente como gostaria que fossem?

Culpamos o outro pelo nosso mau estar, afirmamos ter pouca sorte e raramente voltamos o foco para dentro de nós, para investigar que comportamentos podem estar a contribuir para que a nossa vida afetiva não dê certo. 

Vejamos quais as dinâmicas relacionais invisíveis num caso de separação, para que possa redesenhar a sua história.

 

Há um mundo subtil nos relacionamentosA pessoa  pode entrar numa espiral de sofrimento porque não está lúcida da aprendizagem a retirar deste relacionamento, porque foca a sua energia por demasiado tempo no que considera que o outro lhe fez de mal, um ruminar sem fim que tem o efeito contrário ao que pretende, invés de o libertar, aprisiona-o ainda mais.

Procurar os aspectos que julgamos ser negativos ajuda-nos a cortar ilusoriamente com a dor, só isso. Não acrescenta nada à sua evolução e amadurecimento. (Há sempre duas versões da mesma história, não adianta querer ter razão, procure seguir em frente com uma mala de aprendizagens).

Então, a proposta que se segue é:

Sente-se calmamente, procure relaxar e comece por fazer uma lista das suas queixas sobre o seu ex-parceiro, exemplo: ele não me dava atenção e preferia ir ao futebol com os amigos, ele chegava tarde a casa todos os dias, ele criticava-me mais do que me valorizava, ele dizia mal dos meus amigos, não me deixava cultivar o meu espaço individual, controlava-me exageradamente, era ciumento, etc…

Depois, com a sua lista mergulhe da camada superficial para a subtil, ou seja, convido-o a viajar do que vê como incorrecto no outro para o que este denuncia sobre si. Esta é a sua lista de cura.

 

Exemplo 1:

Superficial: Ela fazia-me sentir de mãos e pés atados ou Ele tinha um controle exagerado sobre mim

Denuncia: perda de liberdade, dinâmica denominador-dominado

Subtil: Eu sentia-me dependente emocionalmente e por isso sem espaço para ser.

Tome conta:

Em vez de querer que o outro mude o comportamento para que se sinta melhor, trate de cuidar da sua dependência emocional, colocando os seus limites.

O outro pode tratar da sua insegurança e melhorar a sua auto confiança.

 

Exemplo 2:

Superficial: Ele fazia-me sentir desvalorizada e criticada frequentemente

Denuncia: desigualdade, dinâmica vitima-agressor

Subtil: Eu tenho dificuldade em me retirar de situações abusivas

Tome conta:

Cuide daquela sua parte mais pequenina que ainda tem medo de se auto-afirmar.

Ele pode aprender a recolocar-se nas relações em pé de igualdade. Pode ser que a sua auto-estima necessite de ser trabalhada, a desvalorização que sente de si mesmo é projetada em si.

 

Exemplo 3:

Superficial: Ela fazia-me não me sentir vista, respeitada, nas minhas fragilidades

Denuncia: perda de amor próprio

Subtil: Eu deposito que o outro me ame porque tenho um vazio emocional profundo, parece que nada me chega.

Tome conta:

Resgate o seu amor próprio, é desse amor que precisa, o outro será um extra não uma compensação.

 

Ao redireccionar a sua energia vital para si através da aprendizagem dos conteúdos subtis poderá ganhar: rapidez na sua regeneração emocional, libertar-se de pensamentos tóxicos e recuperar partes si.

Uma pessoa inteira tem tudo para dar certo com outra pessoa inteira!

Maria Bartolomeu
Maria BartolomeuPsicoterapeuta corporal. Formadora
Mostrar mais Artigos
2017-05-15T16:58:02+00:00 Maio 15th, 2017|Maria Bartolomeu, Relações|
Translate »