Mindfulness no tratamento da perturbação obsessivo-compulsiva

A perturbação obsessiva compulsiva (POC) é caracterizada por dois grupos de sintomas: pensamentos obsessivos e pelos comportamentos compulsivos. É considerada, pela OMS, uma das condições mais incapacitantes, juntamente com muitas doenças do foro físico, com impacto na vida familiar, profissional, social do individuo e na sua qualidade de vida.

As obsessões são pensamentos, imagens mentais intrusivas, indesejadas e perturbadores que geram ansiedade. As compulsões são comportamentos realizados com o objetivo de diminuir a ansiedade e o medo causado pelas obsessões. Os indivíduos sabem que não fazem sentido, não existindo prazer na sua realização mas não conseguem parar o seu comportamento.

O tratamento da perturbação obsessiva compulsiva continua a ser um desafio. Durante décadas a terapia comportamental e a terapia cognitivo-comportamental, com exposição e prevenção de resposta, têm mostrado serem intervenções de sucesso no tratamento da POC, seguidas da abordagem farmacológica (inibidores de recaptação da serotonina).

A abordagem comportamental envolve técnicas como a exposição sistemática e progressiva aos estímulos que geram as obsessões e compulsões. O objetivo é ajudar o individuo a não realizar a compulsão através do adiamento progressivo, e a tolerar a ansiedade que sente.

A abordagem cognitivo-comportamental à POC também utiliza técnicas comportamentais, tais como a exposição e prevenção de resposta juntamente com técnicas de restruturação cognitiva.

Apesar da evidência científica destas abordagens existem algumas limitações: baixa adesão e probabilidade de recaída após terapia.

Continua a pensar “O que é o mindfulness tem a ver com o tratamento da POC?”

Estudos recentes mostram que o mindfulness pode ser o componente de sucesso na terapia.

Apenas para o relembrar: o mindfulness tem as suas raízes na meditação budista e pode ser definido como “ foco da atenção de forma particular e intencional no momento presente, sem julgamento. Este tipo de atenção gera maior consciência, claridade e aceitação do aqui e agora-“(Jon Kabat-ZIn, 1994).

Experimente Mindfulness

Clique na imagem para conhecer o nosso programa de 6 sessões.

Se vai estando atento aos artigos que publicamos sabe que nas últimas décadas o mindfulness tem sido integrado em diversos modelos psicoterapêuticos com sucesso no tratamento de quadros de ansiedade, depressivos, dor crónica, adição e … POC (entre outros).

Enquanto prática experiencial o mindfulness envolve a aceitação e consciência da experiência de forma holística (sensações, emoções e pensamentos) no momento presente possibilitando uma forma alternativa de se relacionar com pensamentos intensivos e/ou emoções perturbadoras sem reagir a eles (comportamento compulsivo). O mindfulness pode ser visto como uma forma de exposição aos pensamentos e impulsos para agir e o foco de atenção no momento presente – e não nos pensamentos obsessivos – pode ser visto como uma forma de prevenção de resposta.

Existe evidência científica que modelos cognitivo-comportamentais com integração de mindfulness provocam mudanças positivas e duradouras tanto ao nível do comportamento como no cérebro (processos bioquímicos).

Estudos mais específicos mostraram que os pacientes que receberam terapia Mindfulness-based cognitive therapy (MBTC)  revelam:

  • Melhoria no foco de atenção e capacidade de concentração, de uma maneira geral
  • Diminuição de sintomas
  • Maior capacidade para tolerar e lidar com a ansiedade
  • Facilitação na exposição
  • Maior consciência e aceitação da necessidade para repetir comportamentos e não o fazer
  • Diminuição da atividade mental
  • Melhoria no sono

Estes estudos revelam ainda que a integração do mindfulness nos tratamentos atuais para a POC apresenta vantagens favorecendo a maior adesão ao tratamento e redução de recaídas.

Se tem perturbação obsessiva-compulsiva e tem evitado recorrer a terapia, seja qual for o seu receio, espero que após ler este texto, clique aqui para marcar consulta!

Sónia Anjos
Sónia AnjosPsicóloga Clínica
Mostrar mais Artigos
Translate »