A dor que nos rasga a pele…

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Ana Sousa

Ana Sousa

O sofrimento tem impacto no ser humano de várias formas, intensidades e leva-o a ter comportamentos diversos para lidar com ele, sejam estes considerados mais ou menos extremos. O isolamento social, a apatia, a ideação suicida, as tentativas de suicídio, as auto-mutilações são algumas das formas que muitas pessoas encontram para lidar com esta dor que parece não ter esperança nem solução.

Em muitos casos luta-se com emoções avassaladoras. Quando se está zangado/a, triste ou assustado/a, estas emoções aparecem como uma onda gigante que parece arrastar quem as sente. Quando isto acontece, pode desenvolver medo de as sentir, pelo receio de se ser uma vez mais arrastado/a por estes gigantes. A maior dificuldade surge quando se tenta suprimir ou travar as emoções e elas se tornam cada vez mais intensas. Existem várias ferramentas que o/a poderão ajudar nestes momentos e que podem ser aprendidas ou desenvolvidas:

      • Estratégias de tolerância ao stress, com as quais se aprende a lidar melhor com acontecimentos dolorosos, construindo resiliência (capacidade de lidar com situações difíceis) e fornecendo novas formas de atenuar os efeitos destas situações.

 

      • Competências de Mindfulness que o/a ajudam a experienciar de uma forma mais completa o momento presente enquanto se foca menos em experiências dolorosas do passado ou possibilidades assustadoras no futuro. O Mindfulness é também uma ferramenta importante para ultrapassar os julgamentos negativos que podemos estar a fazer de nós próprios e dos outros.

 

      • Estratégias de regulação emocional onde se torna mais fácil reconhecer de uma forma clara o que está a sentir e observar cada emoção sem se sentir dominado/a por ela. O objectivo destas estratégias é regular os sentimentos sem agir com eles de formas que possam ser potencialmente destrutivos.

 

      • Desenvolvimento de eficácia interpessoal, onde se desenvolvem competências de expressão das suas crenças, necessidades, opiniões, se aprendem a estabelecer limites aos outros e negociar soluções para os problemas. Neste trabalho, todo o processo acontece, protegendo as suas relações e tratando os outros com respeito.

 

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

0
  Talvez também lhe interesse: