Perturbação obsessivo-compulsiva

Com base nestas perguntas rápidas poderá ter uma ideia se a Perturbação Obsessivo-compulsiva pode ser algo que o esteja a afectar. De salientar que não é possível nenhum diagnóstico sem uma avaliação personalizada por um profissional de saúde, pelo que os resultados são apenas um sinal prévio quanto à possibilidade de presença desta perturbação ansiosa. Muito particularmente, a perturbação obsessivo-compulsiva é de diagnóstico difícil em muitas das suas formas, uma vez que vai evoluindo ao longo do tempo e comporta algumas configurações especiais, havendo mesmo diferenças culturais.

A prevalência ronda os 1.1% a 1.8%. Mais mulheres são afectadas na idade adulta, ainda que na adolescência exista uma preponderância de incidência no sexo masculino.

Campos obrigatórios marcados com *

1.Costuma ter pensamentos, impulsos ou imagens mentais recorrentes e persistentes, que sente como intrusivos e indesejados e que lhe criam ansiedade ou aflição? *
2.Tenta ignorar ou suprimir esses pensamentos, impulsos ou imagens ou neutraliza-los com um qualquer outro pensamento ou acção? *
3.Sente-se compelido a realizar alguns comportamentos repetitivos (ex: lavar as mãos, ordenar objectos, verificar situações) ou actos mentais (ex: rezar, fazer contagens, repetir palavras mentalmente), após alguns pensamentos, impulsos ou imagens mentais, ou de acordo com regras que têm de ser rigidamente seguidas? *
4.Estes comportamentos ou actos mentais destinam-se a evitar ou reduzir a ansiedade ou desconforto, ou a evitar um qualquer acontecimento ou situação que se receia, ainda que não se relacionem de uma forma realística com aquilo que se pretende evitar ou neutralizar, ou são claramente excessivos (exemplo: lavar as mãos 10 vezes de seguida para evitar uma doença ou repetir mentalmente uma frase para evitar uma fatalidade a alguém de quem se gosta)? *
5.Qualquer uma das situações descritas consome-lhe tempo de uma forma significativa (exemplo: mais do que 1 hora por dia) ou causa-lhe problemas nalguma área importante de vida (ex: social ou ocupacional)? *

2017-03-31T17:09:33+00:00 Março 31st, 2017|Perturbação obsessiva-compulsiva|

4 Comentários

  1. lilia Russo 01/08/2017 at 13:29 - Reply

    Tenho TOC diagnosticado, passo horas a ferir a minha pele a verificá-la. isto causa-me muita angustia faço medicação, já tive excelentes resultados, mas actualmente nem a medicação evita as compulsões. Não sei que mai hei de fazer. terapia cognitivo comportamental, o que aconselham. vivo em são Miguel Açores. Obrigada

    • Madalena Lobo 01/08/2017 at 14:49 - Reply

      Cara Lília,
      A medicação, por si só, não trata a perturbação obsessivo-compulsiva que deve ser tratada por um psicólogo clínico experiente especificamente nesta perturbação (porque tem alguns contornos muito específicos), e que seja de uma abordagem maioritariamente cognitivo-comportamental. Penso que existem alguns psicólogos em S. Miguel que se enquadram nesta descrição, pelo que lhe sugeria que averiguasse e marcasse consulta o quanto antes!
      Abraço

  2. Rodrigo 12/06/2017 at 19:32 - Reply

    Como posso obter ajuda?
    Qual a solução para um caso destes?

    • Madalena Lobo 12/06/2017 at 20:09 - Reply

      A perturbação obsessivo-compulsiva é melhor tratada em contexto de Psicologia Clínica e da Saúde, por vezes com medicação como complemento importante. Bastará enviar-nos email para info@oficinadepsicologia.com.
      Abraço,
      Oficina de Psicologia

Leave A Comment

Translate »