O Stress é stressante!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Vanessa Damásio

Vanessa Damásio

O Stress é um processo complexo através do qual o nosso organismo responde aos acontecimentos que fazem parte da vida do dia-a-dia, e que são suscetíveis de ameaçar ou de pôr em causa o nosso bem-estar.

Trata-se de estado de tensão que causa uma rutura no equilíbrio interno do organismo. É por isso que às vezes, em momentos de desafios, o nosso coração bate rápido demais, o estômago não consegue digerir a refeição e as insónias ocorrem. Em geral, o corpo funciona em sintonia, como uma grande orquestra. Deste modo, o coração bate no ritmo adequado às suas funções, e os pulmões, fígado, pâncreas e estômago têm seu próprio ritmo que se equilibra com o de outros órgãos. A orquestra do corpo toca ao ritmo da vida com um equilíbrio preciso. Mas quando o stress ocorre, esse equilíbrio, chamado de homeostase, é quebrado e perde-se a sintonia entre os vários órgãos do corpo.

Quando conseguimos utilizar estratégias de enfrentamento para restabelecer a ordem interior, o stress é eliminado e voltamos ao normal, mas quando tal não é possível, o stress instala-se afetando todo o organismo a nível físico e psicológico e a orquestra começa a tocar de forma muito desafinada…

A grande maioria das pessoas têm nas suas vidas uma fonte de stress grande e permanente, como uma ocupação ou trabalho complicados ou uma situação familiar conflituosa, que constantemente afetam o seu equilíbrio interior. Nestes casos o processo do stress constitui-se num ciclo de altos e baixos, em que a pessoa consegue, com esforço, restabelecer o equilíbrio, este é quebrado novamente e mais uma vez é restabelecido temporariamente. Isto pode-se prolongar por anos, até que um dia a sua energia adaptativa esgota-se e, não tendo mais como resistir, começa a adoecer.

Quando não se consegue mais lidar com a tensão emocional, o corpo e a mente dão sinais visíveis de alerta. A memória começa a falhar, coisas pequenas são esquecidas como se nunca tivessem acontecido. Não se consegue lembrar fatos, nomes ou tarefas, mesmo as mais simples. O outro sinal do corpo é acordar de manhã, após uma boa noite de sono, muito cansado. A sensação de desgaste físico e mental, acompanhada de falhas de memória, questionamento sobre a nossa própria competência, apatia e desinteresse pelas coisas que antes davam prazer constituem-se em sinais de que a tensão é excessiva.

O primordial é saber equilibrar o stress de tal modo que ele não ultrapasse a nossa zona de conforto, o nosso limite de tolerância e resistência. Se nada é feito para aliviar a tensão, então o organismo, já sem energia para enfrentar o problema, enfraquece e uma série de doenças começa a aparecer, como gripes, gastrite, problemas dermatológicos etc.

Caso o stress continue, a pessoa cada vez mais se sentirá exausta, sem energia, depressiva, com crises de e desânimo. Surgem a auto-dúvida, a inabilidade para se concentrar e trabalhar. Às vezes pesadelos ocorrem.

Na área física, muitos tipos de doenças podem ocorrer, dependendo da herança genética da pessoa. Uns adquirem úlceras, outros desenvolvem hipertensão, outros ainda têm crises de pânico, de herpes, de psoríase, entre outras. A partir daí, sem tratamento especializado e de acordo com a constituição da pessoa, existe o risco de ocorrerem problemas graves, como enfarte, derrames, etc.

Não é o stress que causa estas doenças, mas ele propicia o desencadeamento daquelas para as quais a pessoa já tinha uma predisposição ou, ao reduzir a defesa imunológica, ele abre espaço para que doenças oportunistas se manifestem.

Para além disto, o modo como interpretamos determinados eventos ao longo da vida, o modo como pensamos sobre as situações, o mundo e as pessoas, podem gerar e até piorar o nosso estado de stress. Como? O exemplo a seguir ilustra claramente como os pensamentos e as nossas crenças pessoais podem influenciar a reação ante uma situação: Imagine que alguém está a andar na rua com um amigo e de repente surge um cão. Um reage com medo, foge, grita e o outro faz uma festinha ao cão. O que difere no modo de reagir destas duas pessoas perante este estímulo que é o cão? A reação positiva ou negativa é motivada pelo tipo de interpretação que fazemos da situação, e o mais incrível é que interpretações e julgamentos ocorrem em inúmeras situações no dia-a-dia sem tomarmos consciência dos possíveis efeitos que esses julgamentos trazem às nossas emoções. Os pensamentos controlam as emoções e a força do pensamento e o tipo de interpretação que se faz dos estímulos pode fazer com que se produza o stress.

As crenças são um dos fatores mais poderosos do ser humano, pois a pessoa é aquilo que acredita ser. O problema são as crenças irracionais, que são uma maneira distorcida e disfuncional de julgar as situações que estão ligadas a uma tendência da pessoa a julgar negativamente a si mesma, o mundo e as pessoas. Estas crenças são limitadoras do desenvolvimento humano e normalmente geram frustrações, ansiedade e stress.

Através de pequenas alterações na vida diária, como:

  • Realização de exercício físico;
  • Manutenção de uma alimentação equilibrada;
  • Utilização de estratégias e técnicas de relaxamento e de mindfulness;
  • Desafio a crenças irracionais;
  • Psicoterapia…

…os sintomas de stress poderão ser aliviados e a sua vida será mais equilibrada e feliz!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

0
  Talvez também lhe interesse: