Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

Perturbação Histriónica da Personalidade (PHP)

As pessoas que apresentam este tipo de perturbação de personalidade têm uma necessidade constante de atenção, demonstram comportamentos excessivamente dramáticos e o seu inicio verifica-se no começo da idade adulta.

São aqueles pessoas que descreveríamos como muito emotivas, muito enérgicas, manipuladoras, sedutoras, impulsivas, inconstantes, e exigentes.

Representam entre 2 a 3% da população em geral.

No começo do século XX este distúrbio era conhecido por histeria e especialmente identificado entre a população feminina.

Contudo, actualmente é reconhecida a sua prevalência quer em homens como em mulheres, e ambos partilham a necessidade de atenção e o protesto excessivo quando não se sentem o centro das atenções. Indivíduos com este distúrbio são ingénuos, crédulos, têm um baixo limiar de frustração, e forte dependência emocional.

O seu estilo cognitivo pode ser definido como superficial carecendo de detalhes. Nas suas relações interpessoais, estes indivíduos usam a dramatização com o objectivo de impressionar os outros. O padrão persistente dos seus relacionamentos é marcado pela falta de sinceridade  e intempestividade levando a um comprometimento das suas competências social e ocupacional.

O diagnóstico da PHP é complicado porque pode parecer-se como muitas outras doenças, e porque normalmente ocorre em simultâneo com outros transtornos de personalidade.

O inicio dos sintomas começa na idade adulta. Podem durar uma vida, mas podem diminuir ou alterar a sua forma com a idade.

De acordo com o DSM-IV:

  1. O centro das atenções: Pacientes com PHP experimentam desconforto quando não são o centro das atenções.
  2. Sexualmente sedutores: Pacientes com PHP apresentam comportamentos sexualmente inadequados provocantes ou sedutores para com os outros.
  3. Emoções inconstantes: A expressão das emoções de pacientes com PHP tende a ser superficial e a mudar rapidamente.
  4. A aparência física: Indivíduos com PHP consistentemente empregam a aparência física para chamar a atenção sobre si próprios.
  5. Estilo do Discurso : O estilo de discurso destes pacientes é pobre em detalhes. Indivíduos com PHP tendem a generalizar, e quando estas pessoas falam, procuram agradar e impressionar.
  6. Comportamentos Dramáticos: Pacientes com PHP usam a auto dramatização e exageram suas emoções.
  7. Sugestibilidade: São facilmente influenciáveis por outras pessoas ou circunstâncias .
  8. A sobrevalorização da intimidade: Pacientes com PHP sobrevalorizam o nível de intimidade num relacionamento.

Embora as causas para esta perturbação não serem completamente conhecidas, acredita-se poder ser consequência de factores biológicos, de desenvolvimento cognitivo e social.

Nas causas fisiológicas, estudos mostram que pacientes com PHP tem alta capacidade de resposta dos sistemas noradrenérgico, os mecanismos envolvendo a libertação da noradrenalina.

A tendência para uma reacção excessivamente emocional à rejeição, comum entre estes pacientes, pode ser atribuída a um defeito num grupo de neurotransmissores chamados catecolaminas. (Noradrenalina pertence a este grupo de neurotransmissores).

Do ponto de vista do desenvolvimento a Teoria Psicanalítica, desenvolvida por Freud, foi a que apresentou um dos corpos teóricos mais desenvolvidos baseado nas  fases psicossexuais de desenvolvimento pelo qual passa cada indivíduo. Estes estágios determinam o desenvolvimento psicológico posterior de um indivíduo, como um adulto. Inicialmente os psicanalistas propuseram que a fase genital, quinta etapa ou a última do desenvolvimento psicossexual, como um determinante da PHP. Mais tarde, consideraram a fase oral, primeira etapa de Freud do desenvolvimento psicossexual, como o determinante mais importante da PHP. A maioria dos psicanalistas concordam que uma infância traumática, contribui para o desenvolvimento de tais distúrbios Alguns teóricos sugerem que as formas mais graves de  PHP podem derivar da reprovação sistemática na relação precoce mãe-criança .

Outro componente da teoria de Freud é o mecanismo de defesa. Mecanismos de defesa são um conjunto de métodos sistemáticos e inconscientes que as pessoas desenvolvem para lidar com conflitos e reduzir a . De acordo com a teoria de Freud, todas as pessoas usam os mecanismos de defesa, mas pessoas diferentes usam diferentes tipos de mecanismos de defesa. Indivíduos com PHP diferem na gravidade dos mecanismos de defesa adaptativos que utilizam. Pacientes com casos mais graves de PHP, podem utilizar os mecanismos de defesa, de repressão, negação e dissociação.

A repressão é o mecanismo de defesa mais básico. Quando os pensamentos dos pacientes produzem ansiedade ou são inaceitáveis para eles, usam a repressão para impedir os pensamentos inaceitáveis ou impulsos da aparecer à consciência.

Pacientes que usam a negação podem dizer que um problema anterior já não existe, sugerindo que a sua competência tem vindo a aumentar, no entanto, os outros podem notar que não há nenhuma mudança no comportamento dos pacientes.

Quando os pacientes com PHP usam o mecanismo de defesa de dissociação, podem apresentar duas ou mais personalidades. Essas duas ou mais personalidades coexistem num indivíduo sem integração. Pacientes com casos menos graves de PHP tendem a empregar o deslocamento e a racionalização como defesa.

O deslocamento ocorre quando o paciente muda um efeito de uma ideia para outra. Por exemplo, um homem com PHP pode sentir raiva no trabalho porque o patrão não o considera o centro das atenções. O paciente pode deslocar sua raiva para a sua esposa em vez de ficar com raiva do seu chefe.

A racionalização ocorre quando os indivíduos explicam os seus comportamentos de modo a que eles pareçam aceitáveis para os outros.

Os  modelo Biossocial e de aprendizagem relativos à PHP  sugerem que os indivíduos podem adquirir este distúrbio como consequência de reforços interpessoais inconsistentes oferecidos pelos pais. Os defensores dos modelos biossociais de aprendizagem referem que estes indivíduos aprenderam a conseguir o que querem dos outros, chamando a atenção para si.

Tratamentos

Para a Terapia Psicodinâmica a PHP, como outros transtornos de personalidade, pode exigir vários anos de terapia e pode acompanhar os indivíduos ao longo da sua vida. Alguns profissionais acreditam que a terapia psicanalítica é um tratamento de escolha para PHP pois auxilia o paciente a tomar consciência dos seus próprios sentimentos. A terapia psicodinâmica de longo prazo visa os conflitos latentes dos indivíduos e pretende ajudar os pacientes a diminuir sua reactividade emocional. Os terapeutas trabalham com material de sonhos temáticos relacionados com a intimidade e memórias.
A terapia cognitivo-comportamental é um tratamento direccionado a reduzir os pensamentos disfuncionais de indivíduos com PHP. Tais pensamentos incluem temas sobre  o “não ser capaz de cuidar de si mesmo”. A terapia cognitiva para PHP incide sobre uma mudança de pensamento, global, sugestionável, por um foco mais metódico, sistemático e estruturado sobre os problemas. O treino cognitivo-comportamental em relaxamento para um indivíduo com PHP enfatiza o desafio aos pensamentos automáticos sobre a inferioridade e o não ser capaz de lidar com a vida. A terapia cognitivo-comportamental ensina os indivíduos com PHP a identificar os pensamentos automáticos, a trabalhar o comportamento impulsivo e a desenvolver melhor as capacidades de resolução de problemas. O terapeuta comportamental emprega o treino de assertividade para ajudar estas pessoas a aprender a lidar com os seus próprios recursos. A terapia comportamental para PHP inclui técnicas como modelação e ensaio comportamental para ensinar aos pacientes o efeito do seu comportamento teatral sobre os outros num ambiente de trabalho.
A terapia de grupo e o uso do Psicodrama são sugeridos para ajudar as pessoas com PHP a trabalhar as relações interpessoais. Usando o role-playing, os indivíduos com PHP podem explorar as relações interpessoais e os seus resultados para compreender melhor o processo associado a diferentes cenários.
A terapia familiar serve para treinar a afirmação ao invés do evitamento de conflitos. Os terapeutas familiares precisam ajudas as pessoas com PHP a falar directamente com outros membros da família. A terapia familiar pode apoiar os membros da família para atender às suas próprias necessidades sem compactuar  com o comportamento histriónico do indivíduo com PHP que usa a crise dramática para manter a família estreitamente ligada.
A Farmacoterapia não é um tratamento de escolha para os indivíduos com  PHP a menos que este ocorra em simultâneo com outra perturbação. Por exemplo, se PHP ocorre com a , os antidepressivos podem ser prescritos.

Prognóstico

As características de personalidade dos indivíduos com PHP são de longa duração. As pessoas com este distúrbio utilizam os serviços médicos com frequência, mas geralmente não permanecem em tratamento psicoterapêutico tempo suficiente para produzir  alterações.
O tratamento para PHP pode ter um mínimo de 1-3 anos

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin